Você que é magra, alta, seca, e comprida...chegou sua vez. Em primeiro lugar, eu te invejo e quero seu DNA pra ontem!!! 
   Qual é a treta??? O negócio é que Giambattista Valli, nas passarelas couture mostrou o  não tão novo truque de styling e apresentou um novo jeito de incorporar o party dress ao dia-a-dia.Aliás, esse talvez é o grande diferencial desse jeito de sobrepor essas duas peças. Dar uma nova função aos vestidos elegantes que só saíam de casa em raros momentos. Agora, com a ajuda de um jeans ou uma calça de alfaiataria, ele é mais uma ótima opção para o seu office look e outras ocasiões do cotidiano. Se inspire com looks versáteis, e roube a sua combinação favorita:






Teriam coragem de arriscar??? Beijos de salto, Rafa.



   Aberta a termporada do folk!!! A partir de agora, vamos encontrar por aí várias e várias coleções lançando a nossa querida "batinha" ou, como ficou conhecida a "blusa de camponesa".
   Você deve estar se perguntando de onde relançam essas coisas? Pois é...logo depois de ser anunciada a nova garota-propaganda dos óculos Chanel, Lily-Rose Depp já começou a chamar a atenção por onde quer que passe por conta de seu estilo. Aos 16 anos de idade, a aspirante de modelo e atriz foi flagrada usando os óculos escuros que apresentou no vídeo de sua mais nova campanha e uma blusa bordada que remete aos modelos de batinha mexicana, como aquela que a Isabel Marant adora lançar.


   Em pesquisa na Internet descobrimos que a batinha é conhecida popularmente como “blusa de camponesa”, que teve Kate Moss e Katie Holmes como as adeptas da peça lançada por Isabel Marant em 2013. Mas a modinha segue firme e forte até os dias atuais, com um modelo da blusa completando a última coleção de verão Zara, como vimos no Instagram da revista Look.


   Atualmente você já deve ter percebido um número grande fashionistas com batinhas e vestidos longos curtos bem lindos com referências étnicas. Trata-se da marca Vita Kin, que produz suas coleções limitadas em lojas selecionadas. O Net-a-Porter é uma delas, mas prepare o bolso, pois os preços são um pouco salgados.




   Mas já faz muito tempo que as blusas de camponesas deixaram de ser uma exclusividade do vestuário funcional do campo e passaram para o guarda-roupas de mulheres contemporâneas, como na imagem de Grace Kelly usando uma peça em 1954.


   Quem gosta de vintage pode até garimpar a peça por brechós virtuais, encontramos duas peças no Etsy, uma de bordados verde de 1940, e a outra de mangas curtas e bordado em ponto cruz de 1930. 
   O fashionholic não te deixa na mão e já foi tratar de pesquisar umas inspirações para você levar na sua costureira amiga. Vamos conferir???



















 







 Gostaram das peças-inspiração??? Beijos de salto, Rafa.


   



   Jacqueline Lee "Jackie" Bouvier Kennedy Onassis foi a esposa do 35.º presidente dos Estados Unidos John F. Kennedy, e serviu como primeira-dama dos Estados Unidos durante a presidência de seu marido, de 1961 até 1963, quando ele foi assassinado. Hoje, ela faria 85 anos se estivesse viva.
   Natalie Portman foi eleita para interpretar Jacqueline Kennedy nos cinemas. Nós do fashionholic nos inspiramos a relembrar o estilo da primeira-dama mais copiada desde então. Jackie Kennedy era admirada por sua discrição para se vestir e esta foi uma das lições que aprendemos também no seriado “House of Cards”, pela construção do figurino da personagem Claire Underwood.






   Alguns elementos se tornaram emblemáticos depois que foram usados pela ex primeira-dama, como por exemplo o tailleur de tweed em aparições formais ou o trench coat para o dia a dia. A qualquer momento, porém, ela poderia surgir com seus inseparáveis óculos grandes e o lencinho amarrado na cabeça, prática que se tornou a referência mais forte para quem segue o seu estilo até hoje, e que Jackie aplicava apenas para seguir a moda dos anos 60.




   Apesar de ter sido casada com o ex-presidente John F. Kennedy, a fama eterna de Jackie foi traçada por ela mesma. Graças a sua elegância fora de série, a ex-primeira dama dos EUA é celebrada até hoje no mundo fashion. Amante de Coco Chanel e Christian Dior, seus looks seguiam um estilo clássico e feminino, com direito a pérolas, chapéus pillbox e conjuntos de ternos e saias lápis em tons pastel. Lá pelos anos 70, quando foi casada com o magnata grego Aristóteles Onassis, seu estilo mudou para uma estética casual chic. Pense em camisas listradas, calças largas, lenços de seda e espadrilles.






   Uma década depois, nos anos 70 e já em seu segundo casamento, agora Jacqueline Kennedy era conhecida como Jackie O, dona de um guarda-roupa mais leve e casual.
   Nessa época os óculos ficaram ainda maiores e podiam ficar sobrepostos aos lenços na cabeça, que cobriam completamente o cabelo de Jackie. Os lenços de tons terrosos e com padronagens invernais serviam os climas mais frios…









   
   Depois de sua segunda viuvez, Jackie deixa os lenços e chapéus de lado para, em meados dos anos 70, se tornar editora da Viking Press, que depois se transformou na Doubleday. Ela trabalhou até poucos dias antes de sua morte e continuou como referência de estilo até o fim de seus dias. 
   Um feliz aniversário para esse ícone de estilo. 
Beijos de salto, Rafa.